Ecoa - Rios Vivos

Você está em:
03/06/2008

Brasil tem 130 invertebrados sob ameaça de extinção

Fonte: Folha de São Paulo

Um mapa lançado ontem pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra que a maior parte dos 130 insetos e outros invertebrados terrestres ameaçados de extinção no Brasil vive em região de mata atlântica. São Paulo é o Estado que concentra o maior número de espécies e subespécies em risco: 46. Rio de Janeiro, com 41, Minas Gerais, com 35, e Espírito Santo e Bahia, com 24 cada, vêm em seguida.

Segundo Licia Leone Couto, coordenadora de Recursos Naturais do IBGE, a maior ameaça a esses animais é a destruição de seu habitat. "Eles têm uma área de ocorrência muito restrita e são endêmicos, ou seja, não se adaptam com facilidade a outros locais", diz.

Ela explica que o mapa, batizado de "Fauna Ameaçada de Extinção: Insetos e outros Invertebrados Terrestres", foi formulado com base no último balanço de espécies ameaçadas divulgado pelo Ibama, de 2003. O documento anterior, baseado em dados de 1989, continha apenas 33 espécies.

Em relação ao mapa anterior, foi verificada a saída de 14 espécies da lista de perigo. A entrada de novos animais, porém, quase quadruplicou o número de invertebrados sob risco.

Mapa do perigo
Apresentado na escala de 1 por 5 milhões (em que 1 cm no mapa corresponde a 50 km de território), o mapa é ilustrado e tem como objetivo retratar o estado de conservação das espécies ameaçadas e incentivar projetos voltados para a preservação da biodiversidade.

Ele oferece como pano de fundo a vegetação primitiva, a área modificada pelo homem e a delimitação dos biomas. "Os recursos visuais facilitam a compreensão do problema", afirma Couto.

Ela manifestou preocupação com o aumento no número de espécies ameaçadas. "Por serem pequenos, alguns até com um milímetro de tamanho, os insetos não recebem a devida atenção. Mas eles têm uma grande importância para o equilíbrio do meio ambiente", disse. Segundo ela, muitos têm função decompositora e polinizadora, e outros são alimento de animais vertebrados, como sapos e macacos.

A lista inclui 96 espécies e subespécies de insetos e 34 de outros invertebrados terrestres, como aranhas, minhocas e caracóis. Elas são distribuídas geograficamente e classificadas em quatro categorias: extintas, criticamente em perigo, em perigo e vulnerável.

Do total de 130, quatro já são consideradas extintas: a formiga Simopelta minima, que podia ser encontrada na Bahia, a libélula Acanthagrion taxaense, do Rio de Janeiro, e as minhocas Fimoscolex sporadochaetus (minhoca-branca) e Rhinodrilus fafner (minhocuçu ou minhoca gigante), que tinham ocorrência em Minas Gerais.

Ao todo, 27 espécies foram enquadradas na categoria de "criticamente em perigo de extinção". A maior parte dos animais nessa condição são borboletas. Com 55 espécies e subespécies na lista geral, elas representam mais de 55% do total de insetos ameaçados no Brasil.

Até o fim do ano, o IBGE pretende lançar o mapa das espécies de peixes e invertebrados aquáticos ameaçados de extinção, completando a série que começou em 2006, com a publicação do mapa das aves. Em 2007, foi feito o mapa dos mamíferos, répteis e anfíbios. No total, são 632 espécies e subespécies em risco de desaparecer.

Faça o download do mapa logo abaixo

Download




Estas instituições apóiam projetos da ECOA e Coalizão Rios Vivos e não necessariamente as informações veiculadas no portal.
InnBativel Mott Foundation
2004 © ECOA. Todos os direitos reservados
ECOA- ECOLOGIA E AÇÃO (67) 3324-3230